Prestes a comemorar 460 anos, celebrados no dia 25 de janeiro, a cidade de São Paulo é uma capital para se observar com olhos atentos e curiosos, principalmente no que diz respeito à arquitetura. Por isso, a Bontempo aproveita a data para celebrar o que há de melhor em seus prédios construídos nos mais diferentes estilos, formas e tamanhos. Afinal, trata-se de cidade que é um verdadeiro acervo cultural ao ar livre, onde obras icônicas de grandes nomes da arquitetura podem ser vistas a cada esquina e nos ajudam a entender um pouco mais da sua história e dos seus segredos.

Não há dúvidas: um simples passeio pelas ruas paulistanas é garantia de uma experiência única e fascinante.

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Projetada por Ramos de Azevedo e seu colaborador Domiciano Rossi, a construção tem forte consonância com o estilo neoclássico. Formada por três pavimentos, com dois pátios que garantem ventilação e iluminação, os mais de sete mil metros quadrados da Pinacoteca caracterizam-se por suas imensas janelas, colunas, pilastras e paredes em tijolos sem revestimento, detalhes bastante apreciados por quem visita o local. Após inúmeras restaurações, atualmente o prédio abriga grandes exposições de artes plásticas. Nas visitas ao museu, além de um acervo com mais de nove mil obras, o público encontra uma atmosfera que é um verdadeiro passeio pelo passado.

Parque do Ibirapuera

O Conjunto Arquitetônico do Parque do Ibirapuera foi idealizado na década de 50 por uma equipe de arquitetos liderada por Oscar Niemeyer. O projeto arquitetônico recebeu a seguinte função: concentrar todas as manifestações comemorativas dos 400 anos da cidade em um espaço que representasse a grandiosidade e posição de vanguarda da cidade no Brasil. As belas e impressionantes curvas dessa oca modernista provêm de cinco edifícios, então nomeados de palácios, um sinal claro da imponência das edificações. Cada um deles estava destinado a abrigar exposições específicas e atividades de destaque da cultura e economia paulistanas. Hoje, quem visita o espaço pode escolher entre suas diversas atrações: o Museu de Arte Moderna (MAM), o Pavilhão da Bienal, a Oca, o Pavilhão Japonês, o Planetário e o Viveiro. Pet friendly, o parque conta com várias áreas para atividades físicas, ciclovia, 13 quadras poliesportivas e playgrounds.

Praça das Artes

A Praça das Artes é um espaço cultural projetado pelo escritório Brasil Arquitetura, no quadrilátero formado pelas ruas Conselheiro Crispiniano, Formosa, São João e pela Praça Ramos de Azevedo, além do Teatro Municipal. O epicentro do projeto foi no Conservatório Dramático Musical de São Paulo, edifício construído no século 19. Localizado no coração de uma região degradada do centro da cidade, o espaço apresentava fortes sinais de deterioração. O projeto reabilitou o prédio para uso e promoveu o aproveitamento de um lote vazio de propriedade municipal, vinculando-o a um complexo de novas construções e espaços que promovem a cultura e a convivência.

Catedral da Sé

Um dos cartões-postais da capital paulista, a Catedral Metropolitana de São Paulo é uma visita imperdível, tanto por seu valor histórico quanto por sua arquitetura imponente. A belíssima catedral, projetada pelo arquiteto Maximilian Emil Hehl em 1913, é a maior construção em estilo gótico do país e abriga um número impressionante de obras de arte sacra, magníficos vitrais e mosaicos. No prédio, também encontramos elementos que receberam a influência da cultura brasileira, dando ao local um aspecto ímpar. Detalhes no alto das colunas representam animais da nossa fauna (como tatu, porco, morcego) e plantas da flora nativa (maracujá, jabuticaba e outras). Apesar do predomínio do estilo gótico, a cúpula tem inspiração renascentista que lembra o célebre domo da Catedral de Florença.

Livraria da Vila

Projetada pelo arquiteto Isay Weinfeld, o espaço localizado na Avenida Higienópolis, é o resultado da reestruturação de uma casa de dois pisos, construída em um terreno bastante estreito. Apesar do espaço limitado, Isay buscou inspiração em pequenas bibliotecas e sebos típicos da Europa. Na livraria, o arquiteto criou um espaço acolhedor e que em nada lembra o estilo das grandes lojas do mesmo segmento. Móveis de nomes do design brasileiro e prateleiras de madeira escura perfeitamente desalinhadas se espalham do teto ao chão, em um clima bastante intimista. Ambiente convidativo para clientes que gostam de se sentir à vontade para navegar entre as centenas de livros disponíveis, folheá-los no corredor ou até mesmo apreciá-los nos sofás e cadeiras espalhadas pelos dois andares da construção.

São Paulo, uma cidade com infinitas possibilidades.